Moçambicanos celebram 40º aniversário da Independência Nacional

Maputo, 25 Jun (AIM) - Milhares de pessoas afluíram hoje em massa ao Estádio da Machava, arredores da cidade de Maputo, para celebrar o 40º aniversário da independência nacional, proclamada a 25 de Junho de 1975 pelo primeiro Presidente da República, Samora Machel.

O Estádio da Machava não foi escolhido ao acaso para acolher este evento, pois foi precisamente neste local onde foi proclamada a independência nacional em 1975.

Um dos momentos marcantes, nesta celebração, foi quando o Presidente da República, Filipe Nyusi, recebeu das mãos dos antigos Chefes de Estado, Joaquim Chissano e Armando Guebuza, a Tocha da Chama da Unidade Nacional que, durante meses, percorreu todo o território moçambicano.

PR Filipe Nyusi no Estádio da Machava

PR Filipe Nyusi no Estádio da Machava

Um pormenor interessante é o facto de Nyusi ter testemunhado a independência nacional quando ainda era muito jovem em 1975, na altura integrado no grupo dos continuadores da FRELIMO, partido no poder em Moçambique, e hoje regressa ao mesmo palco, desta feita, na qualidade de Presidente da República.

“Eu estive lá no Estádio da Machava em 1975 quando foi proclamada a independência nacional. Na altura ainda era muito jovem e nem era capaz de prever o futuro de que um dia seria capaz de regressar como Presidente” disse Nyusi em declarações a imprensa, na semana passada, minutos após a conferência de imprensa que marcou o término da sua visita presidencial a Cabo Delgado.

A festa no Estádio da Machava teve vários momentos entre os quais um espaço cultural e desfile dos vários ramos das Forças de Defesa e Segurança.

Esta festa foi condimentada por um “show” aéreo e que incluiu lançamento de paraquedistas, o que fez vibrar o público que ali se encontrava presente.

 Antes de o Presidente começar com o discurso, vários líderes religiosos apelaram à manutenção da paz e unidade nacional.

 

Moçambique é um país, que durante muito tempo, esteve sobre o jugo colonial português e só veio a alcançar a sua independência em 1975 depois da fusão de três movimentos nacionalistas, nomeadamente, a UDENAMO, MANU e UNAMI que ocorreu em 1962, e que culminou com a formação da FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique).

A luta armada foi desencadeada a 25 de Setembro de 1964 e veio a terminar formalmente a 7 de Setembro de 1974 com a assinatura dos Acordos de Lusaka.

Entre os participantes destacam-se os antigos Presidentes moçambicanos, Joaquim Chissano e Armando Guebuza; os Presidentes do Malawi, Peter Mutharika; da Namíbia, HageGeingob; da Tanzânia, JakayaKikwete; da Zâmbia, Edgar Lungu e do Zimbabwe, Robert Mugabe.

 Os convidados também incluem os antigos presidentes do Botswana, QuettMasire; da Namíbia, HifikepunyePohamba.

 Angola fez-se representar pelo seu vice-Presidente, Manuel Vicente. Outros convidados incluíam membros do corpo diplomático; membros do governo, representantes de partidos políticos e das organizações da sociedade civil, entre outros.

 (AIM)

 AHM/SG